Carta de Conselhos a Jamyang Gyaltsen

Practices › Guru Yoga | Literary Genres › Advice | Literary Genres › Letters | Tibetan MastersDilgo Khyentse Rinpoche

English | Português | བོད་ཡིག

Dilgo Khyentse Rinpoche

Jamyang Khyentse Chökyi Lodrö

Carta de Conselhos a Jamyang Gyaltsen

Dilgo Khyentse Rinpoche


O seguinte texto é oferecido a Jamyang Gyaltsen, que é virtuoso e possui as qualidades da disciplina e liberação.

Fiquei encantado ao saber que você está bem! Eu também estou em boa saúde.

Quando estiver praticando A Lâmpada Brilhante da Essência do Coração, lembre-se de que o corpo, fala e mente iluminados de todos os buddhas permeiam o corpo, fala e mente do guru. Isso porque o corpo, fala e mente do guru são primordialmente puros, tanto em aparência quanto em realidade. Não há diferença, portanto, entre o corpo, fala e mente do guru e de todos os buddhas.

Nosso próprio corpo, fala e mente também são puros em sua natureza: corpo, fala e mente iluminados. No entanto, em sua aparência, eles parecem ser, para nós, impuros e deludidos. É como alguém com icterícia vendo uma concha branca como sendo amarela. Apesar de serem corpo, fala e mente iluminados, puros em ambas aparência e realidade, ainda assim, devido a nossa confusão, elas aparecem para nós como as três portas impuras. Tal impureza, no entanto, não é encontrada na aparência nem na natureza das três portas em si; é simplesmente o modo como elas aparecem para nós de uma perspectiva deludida.

Portanto, quando você realizar o estado natural do corpo, fala e mente puros do guru e de suas próprias três portas, que são aparentemente impuras, você verá que elas sempre estiveram além do “bom” e do "ruim''.

O corpo, fala e mente puros do guru são apenas sabedoria, manifestando como como corpo, fala e mente iluminados. Isso significa que corpo iluminado e mente iluminada são uma união indivisível, e assim também é com a fala iluminada e a mente iluminada. Em resumo, todos os três: corpo, fala e mente iluminados, são simplesmente uma única sabedoria primordial.

Se você reconhece essa sabedoria una, ela é esta consciência pura momentânea, comum, do momento presente. O que chamamos de “consciência comum” é a mente que todos nós possuímos, cuja essência e manifestação é permeada por dharmata. É a natureza disto que devemos reconhecer. Não é preciso produzir algo novo, uma forma de sabedoria que seja distinta da nossa mente presente.

Se determinarmos decididamente a natureza da nossa mente confusa presente, descobriremos que ela é sabedoria; e essa sabedoria é o guru. Da mesma forma que nunca estamos separados da nossa mente, assim também nunca estamos separados do guru.

Ao invés de purificar nossas experiências deludidas de corpo, fala e mente através das práticas tântricas dos estágios de geração e perfeição, é muito mais fácil, mais conveniente e rápido reconhecer como o corpo e a fala do guru são inseparáveis da nossa própria mente; como a natureza da nossa mente, que não tem base ou origem, é a mente de sabedoria do guru; e como as manifestações naturais (rang rtsal) dessa mente são as mandalas dos três vajras do corpo, fala e mente iluminados.

É suficiente simplesmente saber que sua própria mente é inseparável do guru, e ter anseio contínuo e devoção vívida. Você não precisa meditar especificamente no guru sentado sobre a coroa de sua cabeça e se lembrar de todos os detalhes de sua face, mãos, postura e assim por diante.

Quando você compreende que as aparências ilusórias do nascimento, morte e bardo são meras aparências, que na realidade não possuem nenhuma base ou origem, você também entenderá que essa delusão é incapaz de alterar ou afetar a condição fundamental da mente de maneira alguma. Se você ganhar confiança através da experiência da condição fundamental da mente, a delusão será auto-liberada: simplesmente não há outra possibilidade. Portanto, é vital que você treine para se familiarizar com esse ponto crucial.

Todas as práticas dos estágios de geração e perfeição, e todas as instruções essenciais estão aí para purificar a confusão (‘khrul pa), mas esta profunda instrução para resolver de uma vez por todas a confusão da mente reúne a visão subjacente das práticas de todas as diversas tradições, antigas e novas.

Eu não possuo experiência pessoal disso, mas ainda assim ofereci estas instruções que recebi de meus bondosos lamas para que você possa praticar da melhor maneira possível com algum entendimento destes pontos cruciais.

Na atual era degenerada, é raro encontrar um guru como o nosso e receber instruções como essa, então lembre-se de reconhecer isso. Você encontrou uma existência humana, adentrou aos ensinamentos do Buddha e desenvolveu a intenção de praticar. Agora que você já começou, é extremamente importante, como é dito, que você continue a aplicar toda a sua energia a essa tarefa até que surja o resultado. É exatamente assim.

Da minha parte, já que a morte ainda não chegou para mim, irei lhe oferecer gradualmente tudo o que eu souber. Por ora, acredito que isto será o suficiente para esclarecer sua prática.

Com preces contínuas para sua proteção e com a esperança de que possamos nos encontrar sem demora, eu, um homem velho, lhe ofereço à distância essa explicação tagarela.


| Traduzido do tibetano por Adam Pearcey (2020) e do inglês por Gustavo Santhiago (2021).